quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

cordel do surdo, do mudo e do cego

 

o surdo, o mudo e o cego

surgiram em dois momentos

(na casa comum dos três)

loucos o trio todo

loucos por dois motivos

o primeiro eu vou dizer

 

 

surtam bem cedo ainda

o surdo e o mudo irmãos

(o cego não, primo seus)

mudam prum mundo novo

tão logo se acharam grandes

a mente e o corpo de um deus

 

chegam a ver tal encanto

ipso facto o surdo e o mudo

perdem a fala de vez

o mudo nem se importou

(já não falava o vivente)

só tinha o surdo a perder

 

 

o cego nem deu por isso

não havia encantamento

que cegasse o seu viver

a loucura que lhe coube

foi mais forte no entanto

(pois não carece de ver)

 

o mundo novo pra ele

só lhe importava de fato

pra plantar e pra colher

acorrentou os dois outros

(os pans, assim se chamavam)

e estava o homo a nascer 

 

 

- amordaçados os outros,

estava o homo nascer 

 

 

 

 

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Leak, leak, leak / Hoje a manhã é boa


leak, leak, leak 









 

 

o fio desenrola de seu novelinho bem acondicionado e,

solto,

nos embaraça a todos.

leak, leak, leak, fio meu.

enreda os fio da puta no fogo fértil de prometeu.

 

 

hoje a manhã é boa

 

 

 

 

 hoje a manhã é boa.

tem cheirinho de café.

tem um frango assange ao forno

de deixar o pentelho em pé.

 

a manhã baixo holofotes.

tradicional coffee shop.

a tradição faz fumaça

debaixo do pop, pop, pop.

 

 

facebook, dezembro de 2010

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

V


vapt e vupt
vem e volta
venerada vagabunda 

vai e vem
vasto vulto
venerada vagabunda

viva volúpia
vinga a vida
venerada vagabunda

vê da varanda
o vale verde
venerada vagabunda

...

vice e versa
vide o verso 
venerada vagabunda

venerada vagabunda
vaidosa
vênus vamp

venerada vagabunda 
teu veneno é vã 
vacina 

venerada vagabunda
verte um vallium
e vomita

...

voa à vela e sai vazada
vá, veloz, em via vesga
esvazia em vez meu vício
ver você virando um vírus

verga a vara no meu ventre
vaza a veia, esvai o vinho
vinca a veste, me envagina
vaticina o teu vacilo

vende à vista minha vergonha
vá, tua voz é meu vexame
você viu que eu não valia
e enviou à vala vaga

vinte vezes minha vontade
trinta vezes meus amores
nove vezes fora nada

vinte vezes minha vontade
trinta vezes meus amores
nove vezes fora nada

... 

vence a vaia
dos viados
convencidos da vitória

vira a mesa
miss Valhalla
mostra o monstro
           do teu vento

varre a merda
do universo
           com o vibrar dos teus arpejos


Belo Horizonte, algum dia de setembro de 2010 

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Antes baixo o grito rouco














Antes baixo o grito rouco do sentir a tua falta
falta a tua pata em volta do meu corpo de mineiro
volta nua pro meu canto sol tatua asa leve
deixa água pro meu pranto ou me faz a vida breve

Boca: voz aberta o som me morde
marca o teu nome na face, faz teu sono me ninar
Louca: se nós passamos das horas
dia passa e vai, agora a lua teima em ficar

Antes ter a tua pata no meu corpo de mineiro
que gritar o grito rouco do sentir a tua falta
deixa água pro meu pranto e me torna a vida breve
ou vem nua pro meu canto sol tatua asa leve

Menina: escapa pra longe do mundo
entende fundo o deus das coisas, vá te embora e vá voltar
Menino, escapo pra longe do mundo
entendo fundo o deus das coisas, vou me embora e vou voltar

Antes água no meu pranto entornada a tua falta
antes nua no meu canto solta toada de mineiro
antes quis a tua pata em volta do meu corpo breve
hoje lanço um grito rouco antes que tua vida leve

Menino, escapo pra longe do mundo
entendo fundo o deus das coisas, vou me embora e vou voltar
Menina: escapa pra longe do mundo
entende fundo o deus das coisas, vá te embora e vá voltar
entende fundo o deus das coisas, vá te embora e vá voltar
entende fundo o deus das coisas, vá te embora e vá voltar

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A farra do hebdomadário ilusionista


Use Veja para limpeza étnica pesada

Em João 20:24-25, são Tomé é apresentado ao Cristo revivo e duvida: “Se eu não vir o sinal dos pregos nas mãos dele ... não vou crer!”. Esse ato do apóstolo tipifica a chamada visão de mundo naturalista, nunca vista com bons olhos nos círculos da fé cristã mas cheia de adeptos em nossos tempos mais céticos. Tomé, no fim das contas, se redime, conquistando inclusive o epíteto de “o Crente” junto à cristandade. Uma nova versão do tradicional ver-pra-crer tem sido praticada com entusiasmo cada vez maior pela grande mídia e seus espectadores, e não é apresentada pelo Jack Palance. Nessa nova versão, o ato de ver (ou ler, ou ouvir, dependendo da mídia) exige a crença automática no visto ou no lido. A ironia é que, se o que reprovamos em são Tomé é a falta de fé, o pecado da nova versão é o excesso. Ou a falta de visão crítica, o que dá rigorosamente no mesmo.
           Mire-se no exemplo do nossa mais badalada revista semanal - hebdomadário, como se gostava de dizer no Pasquim - que atende pelo apropriado nome de Veja. A revista bateu todos os recordes de neo-sãotomeísmo em sua matéria especial “A farra da antropologia oportunista” (edição 2163, de 05/05/2010). Não é pedir demais ver com os próprios olhos um trecho logo no início da matéria que, pode crer, diz exatamente o seguinte:

Áreas de preservação ecológica, reservas indígenas e supostos antigos quilombos abarcam, hoje, 77,6% da extensão do Brasil. Se a conta incluir também os assentamentos de reforma agrária, as cidades, os portos, as estradas e outras obras de infraestrutura, o total alcança 90,6% do território nacional. Ou seja, as próximas gerações terão de se contentar em ocupar uma porção do tamanho de São Paulo e Minas Gerais.

O texto não deixa espaço para a dúvida. Apresenta como um fato bruto, legitimado em precisos percentuais, a assombrosa notícia de que índios, quilombolas e agricultores sem-terra (que pensávamos ser a porção marginalizada do Brasil), somados à cobertura de mata virgem cada vez mais reduzida (não me pergunte como “obras de infraestrutura” entra na conta), tomaram conta do país, numa revolução silenciosa de épicas proporções. 90,6%! Tudo aquilo que aprendemos e sabemos sobre o desaparecimento das nossas florestas, sobre a saga de negros fugidos pro mato, pra ser gente, longe das compulsões da cangalha, tudo o que sabemos da histórica desigualdade fundiária brasileira, fartura de uns, fome de tantos, e, o que é mais central para este artigo, tudo o que sabemos sobre 500 anos de massacres, subjugações e humilhações dos índios no Brasil, é pura ilusão. Ou ao menos são águas passadas. Agora, devemos crer que os verdadeiros brasileiros estão acuados, à beira de serem expulsos pela massa de deserdados e pela indiada ressurgida das cinzas. 


A matéria segue dando asas a uma imaginação tão fértil quanto perversa. Beckett e Ionesco eram, pelo menos, geniais. Nem de longe é o caso aqui. A desinformação descarada, aliada a um racismo de butiquim, depõe contra a inteligência não só do leitor mas dos bois-de-piranha recrutados pela Veja para assinar essa peça desteatral (o teatro, ao contrário do que diz um dos subtítulos a matéria - ver logo adiante -, não é atividade para mentirosos, muito menos para mentirosos burros). Numa redação (digamos) ousada, o texto desfila subtítulos que em minha terra seriam considerados maximamente preconceituosos, e em outras terras passíveis de pena máxima: “Os novos canibais”, “Macumbeiros de cocar”, “Teatrinho na praia” (índios fantasiando-se de índios!), “Made in Paraguai”, “Os carambolas” (os tais “supostos” quilombolas). Não há o que comentar. O visto fala por si.
Esses subtítulos, além de tudo o que são e não são em si mesmos, vêm acompanhados de fotos individualizando e ridicularizando seus alvos. E subtitulam desinfográficos, cujo teor deveria, até pros incautos, desmascarar o que está na cara. Volto a citar da fonte, que é mais divertido (mas só 3, pra não cansar):

Beneficiados: 47 famílias declarados boraris
Impacto: expulsa da área 250 famílias que não se declaram boraris e empresas que absorvem 800 pessoas.

Beneficiados: 50 famílias declaradas guaranis
Impacto: impediu a construção de um porto de 6 bilhões de reais

Beneficiados: 153 famílias quilombolas
Impacto: desapropria oito fazendas e uma olaria, causando um prejuízo de 2,5 milhões de reais a microempresários.

Entremos na dança de crer que as informações procedem, no jogo da ressignificação das palavras. “Beneficiados” vira vantagem espúria, como se se tratasse daquelas poucas vetustas famílias que, declaradas brasileiras ou não, engoliram boa parte da terra brasilis sob amparo oficial e cartorial. “Declarado” vira “mentido”, “falsificado”, como um uísque de má procedência. Só quem não se declara índio é, na falta da declaração, gente de bem. “Impacto” pega carona no campo semântico do desastre (como em “impacto ambiental”, o inverso do relatado!) e mostra o estrago (o “prejuízo”, sic) causado por índios e quilombolas à natureza da civilização. Pobres milhões, bilhões de reais. Pobres empresas, pobres portos e investimentos. Pode-se ouvir o clamor: removam as barreiras! Eliminem. Limpem.
A Veja se superou ao multiplicar neo-sãotomeísmos numa matéria só, cada um com endereço certo de consumo acrítico por parte de seus leitores (ou devíamos chamar credores?). Cada um é gravíssimo em si mesmo e dois vou só mencionar. Primeiro, a matéria joga no lixo um fundamento da prática jornalística, que é tratar fatos e pessoas reportadas como algo mais do que objetos de manipulação discursiva. Não creio em isenção total, nem em imparcialidade. Mas jornalismo tem um pé no mundo das factualidades - a fonte, como se diz -, mesmo quando assume uma causa, mesmo quando vira propaganda. Pergunte ao Goebbels. Em segundo lugar, a matéria é irresponsável em um de seus alvos, a tal “indústria da demarcação” que finge denunciar. Ao dizer que o processo demarcatório enche de dinheiro o bolso de antropólogos e índios, desrespeita covardemente toda uma classe profissional (os antropólogos, está claro) fazendo, ao mesmo tempo, a defesa velada dos interesses mais predatórios, que avançam sobre gentes e terras desde que somos Brasil (se minhas palavras não inspiram a crença, busque os dados do Incra no Google. Procure, por exemplo, “maiores latifundiários do Brasil”). Os antropólogos, e muitos outros grupos atingidos ou solidários aos atingidos, já se pronunciaram e protestaram, e deixo com eles, que são mais qualificados, a palavra sobre o assunto. Busque lá no Google, por favor.
Tudo isso é muito sério mas quero frisar uma terceira questão. Crer à primeira vista só é possível quando a mídia mostra o que queremos ver. Infelizmente, a Veja funciona muito bem para dar vasão (além de visão) aos sentimentos de uma parte da sociedade brasileira que é, basicamente, racista e reacionária. E índio é uma categoria especialmente suscetível de virar alvo desse “racismo de princípios”. A razão é que, por mais miseráveis e desarmados de suas culturas pelas frentes de civilização, por mais massacrados e humilhados, os índios sempre continuaram sendo índios. E isso nós não engolimos. Nos roemos de raiva com a insistência do índio em ser índio. Os demais povos que vieram dar no Brasil, como os muitos povos da África, da Europa portuguesa, e depois italiana, alemã, e até do Japão e do Oriente Médio (há algo mais brasileiro que um libanês?), todos, bem ou mal, se abrasileiraram, mesmo trazendo consigo suas culturas para engrossar o caldo comum. O índio não. Se já houve um ex-índio, é aquele que, filho de pai europeu e identificado com ele, guiou a mão do resto dos povos mata adentro para “fazer o Brasil”.
               Darcy Ribeiro (a quem costumo ler e costumo crer), costumava dizer que índio não vira não-índio. Dizia que aquele índio de algum modo sobrevivente ao rolo-compressor civilizatório é “índio específico”, dono da própria cultura, da própria língua, do próprio corpo, de si mesmo. Que para os demais, os ditos aculturados, não há assimilação, e que a dita integração não é uma meta a se atingir mas uma realidade compulsória a se viver, em muitos casos deprimente e até fatal. Que desarmado de sua cultura, de sua língua original, o índio integrado vira “índio genérico”, forçado a viver à margem de uma sociedade brasileira astronomicamente maior e envolvente. E que ainda assim permanece índio, chamado e se chamando de  índio.

              Ao ridicularizar a indiada, a matéria da Veja nos dá o meio de revidar, de lavar nosso racismo tipicamente brasileiro, esse que não aceita a não-amalgamação, que não aceita a impermeabilidade à fusão estampada na resoluta identidade de índio. Veja cumpre a tarefa de limpar em nós essa estrebaria de Áugias, essa impaciência odienta, invejosa, racista afinal, ao inventar uma figura de escárnio, mais fácil de rejeitar por que é ela que é suja, é ela que é errada, é ela que é falsa. Acredite quem quiser. 

segunda-feira, 5 de julho de 2010

La "Naranja Mecánica" acalla la soberbia del seleccionado del "Maior do Mundo"

La "Naranja Mecánica" se encargó hoy de acallar a la soberbia brasileña con un aleccionador 2-1. El seleccionado verdeamarello que llegó como favorito a cuartos de final de la Copa del Mundo vuelve a casa con el rótulo de "fracaso rotundo". El resultado es un golpe bajo para todos aquellos aficionados, periodistas deportivos y medios de comunicación del vecino país que ya se sentían campeones del mundo antes de jugar los partidos y que -en algunos casos- se burlaron incluso de Paraguay al que parodiaron en un criticado video de Sport TV de Globo.
La Nación Online.

Es también una lección de vida para aquellos que subestiman no solo a sus adversarios de turno sino que aprovechan el evento para atacar la dignidad de países vecinos. Un ejemplo concreto de ello es el especial del Mundial emitido por la cadena SportTV de la cadena Globo de Brasil, en el que se mostró ayer un video descalificando la participación albirroja en el Mundial, con ironías sobre los "atractivos" turísticos, la moneda guaraní y su gente.

Los canales de TV locales reprodujeron ayer un "corto" de Sport TV de Globo sobre la participación paraguaya dentro del Mundial y en la que busca por todos los medios denigrar nuestra cultura, nuestros atractivos turísticos, el "valor" de la moneda local en el mercado bursátil y desprecia la tarea de la albirroja en el Mundial de Sudáfrica. Es más, en el documental afirman que nuestro país solamente llama la atención por la "novia del Mundial", Larissa Riquelme.

Por si no fuera suficiente, en la última parte del video ironizan sobre nuestras comidas y nuestras costumbres, señalando en esta parte que la comida es una "maravilla" mientras pasaban imágenes de un hombre con rasgos paraguayos comiendo frituras. Además, ironizan sobre nuestros caminos “Si no le gusta el océano, Paraguay es el lugar ideal para tomarse unas vacaciones”, se escucha en una parte del relato.

Con Brasil eliminado ¿qué dirá ahora Sport TV de Globo? ¿Tendrá la suficiente humildad para la autocrítica, o seguirán con la hipocresía de vivir a espaldas de sus grandes problemas como el racismo, sus millones y millones de pobres, las matanzas, el tráfico de drogas en las favelas de Río de Janeiro y hacer creer siempre que Ciudad del Este es el oasis del contrabando cuando que es su gente la que mayor provecho saca del desorden en Triple Frontera?

Para la mayoría de los paraguayos este documental fue realmente decepcionante, por todos los vínculos que nos unen con los del país vecino. Entre ellos resaltan el gran comercio bilateral y el flujo hacia los centros turísticos del Brasil, generalmente "preferidos" por millones de compatriotas.

Esperamos que así como Dunga ya renunció, estos comunicadores al menos tengan algún rayo de dignidad y terminen por callarse. La Naranja Mecánica se encargó así de hacer justicia y dar una gran lección a quienes tienen en el corazón una rabia innecesaria hacia una nación pobre pero digna.

Todo el pueblo espera, con humildad, con todo el respeto que se merece la Madre Patria, que mañana nuestra selección pueda dar un gran saldo hacia seminales en Sudáfrica. ¡Fuerza Albirroja! 
El video se puede ver en sportv.globo.com

Matéria copiada-e-colada do La Nación Online, de 02/07/10

Copa 2010 I - Pré abstinência


que medo ficar vazio
no 12 de julho em diante
da festa do futebol
do ópio distribuído
em cadeia mundial
que medo bater saudade
no 12 de julho em diante
de palavras tão singelas
jabulani, vuvuzela,
larissa e felipe melo

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Experiências Sinestésicas na Índia

Tábata Morelo Vianna*

Quando se visita um lugar a primeira idéia que temos é que veremos muitas coisas diferentes. No entanto quando vamos para algum lugar vamos com o nosso corpo todo e o que for diferente será não só diferente para a nossa visão, mas para todos os nossos sentidos. As fotografias de viagem são relatos visuais e talvez por ser o registro mais usual na nossa cultura, tendemos a fazer referência da memória pela imagem. E mesmo quando pensamos apenas na visão é possível desvincular a representação da coisa pela figura e pensar na reação sensível que desencadeia a composição da fotografia, ou mesmo da cena que presenciamos. Os elementos visuais estão carregados de sentidos e se comportam de forma relacional: as cores, os significados das cores, a ausência de certas cores, as formas, os excessos e os espaços vazios. O que reparamos em viagem é o que está em repetição com o nosso lugar de partida e o que está em negativo à nossa referência de paisagem. O que pretendo é colocar em relevo algumas formas de entender o diferente pelo contraste sensorial e, ainda, pelos significados atribuídos a essas sensações em contextos culturais diversos.

No âmbito da cor, por exemplo, podemos nos lembrar de algumas divergências de significados entre lugares diferentes. As cores mais recorrentes e que carregam mais significados são o branco, o preto e o vermelho. Na maioria das culturas o branco nos remete à paz, tranqüilidade etc., no entanto, no Japão é uma cor de luto. E enquanto o preto para nós é uma oposição ao branco, para os Egípcios não é nem, tampouco, considerado uma cor (mas sim a ausência total de cor). Aqui o azul pode significar felicidade, alegria e nos países de língua inglesa é, ao contrário, a cor da tristeza. Para muitos indianos o ocidente poderia ser chamado de sem muita cor, ou sem muita variação de cor, como se fôssemos demasiado pastéis e, ao contrário, para nós existe um excesso de variação, como se a Índia fosse demais colorida.

Outra questão marcante é a do sabor, ou da culinária. Os temperos em diversas cozinhas podem ser parecidos ou os mesmos, mas o que vai diferenciar uma da outra vai ser a combinação dos sabores. O caso do paladar é ainda mais complexo, já que envolve outros sentidos: o olfato, a visão e o tato. A Índia é famosa pela sua comida picante e pelo grande leque de temperos não tão conhecidos no Brasil, mas mesmo considerando a discrepância com os nossos hábitos alimentares poderíamos comparar o sabor agudo de algum prato indiano com o acarajé da Bahia. O gosto se desenvolve pelo hábito, pela repetição e pela sedução. Os extremos, como a pimenta, são atraentes e repulsivos ao mesmo tempo, são no mínimo intrigantes ou notáveis. A comida sem gosto, sem sal, sem algo que deveria estar ali dificilmente vai ser lembrada. Os parâmetros do que falta são construídos por uma experiência anterior, claro, então seria difícil um brasileiro dizer o que falta em um prato estrangeiro, mas é plausível que ele se expresse sobre o seu excesso.

Muito próxima à questão alimentar está a percepção dos cheiros, pois os choques culturais mais evidentes envolvem o encontro desses aspectos. O cheiro forte em uma comida ou um cheiro forte perto de comida. Explico, a combinação de certos cheiros com a idéia de se alimentar (interiorizar pela boca elementos exteriores) pode ser inconcebível em uma cultura e completamente natural em outra. Para nós, belorizontinos, a dinâmica de mistura no Mercado Central pode passar despercebida e para algum estrangeiro será, no mínimo exótica, podendo chegar a gerar um certo asco. Flores, animais vivos ou semi-vivos, almoços, bebibas, frutas, cortes-de-cabelo, o barulho de trânsito do centro, muitas pessoas de passagem, ervas-medicinais, móveis etc, etc. Em contraponto com o nosso mercado, muitos relatos de viagens para a Índia enfatizam as barraquinhas de comida em feiras ao ar livre que convivem com eventuais vacas a passeio. Os aromas também se relacionam com a espiritualidade dos povos e ativam a memória de certos ambientes religiosos. Para os católicos o cheiro de incenso pode remeter à uma certa celebração, batizado, ritual dentro da igreja. O incenso na Índia tomará outras proporções, não somente religiosas, mas também de meditação e de outros usos mais cotidianos. 

O mundo ocidental tem uma tendência de suprimir o cheiro e as relações que temos com ele da nossa vida cotidiana. A isenção de odores para nós tem uma referência séptica, de que tudo está limpo e no seu devido lugar. Na Índia Antiga a ausência de cheiros era um sinal de luto, ou seja, era evidente a marca do não aroma, enquanto para nós seria muito difícil perceber essa ausência (nós lembramos do olfato apenas quando o odor está em excesso, nunca quando está em falta).

Outra grande diferença são as escalas musicais que usamos no ocidente e que são usadas no oriente. É muito difícil para nós percebermos as nuances tonais em uma cítara, mas acredito que para os ouvidos educados para tanto não exista nem tampouco essa questão, como para nós é tranqüilo perceber as diferenças entre um dó e um ré (ainda que não entendamos de teoria musical). Continuando na questão sonora, alguns viajantes relatam que as buzinas são usadas constantemente no trânsito indiano, mas é certo que esse não é um excesso percebido pelos motoristas de lá, mas uma forma de utilizar esse recurso do automóvel. Assim, penso, se dá o uso das tão temidas “vuvuzelas” nos estádios sul-africanos, elas são barulhentas agora que são internacionais. Nosso ouvido, como os outros órgãos sensíveis, está treinado para se acostumar, selecionar e enfatizar alguns sons. Esse treino é, principalmente, cultural e a genética passa longe dessa formação.

O tato pode parecer ter menos diferenças explícitas interculturais, no entanto existe uma característica brasileira que se distancia de muitas outras culturas (tanto orientais quanto ocidentais): a de pegar. Nós nos pegamos e pegamos as coisas quase sempre, ao cumprimentar uns aos outros, ao escolher algum produto em uma loja e até mesmo para ver uma fotografia. O alcance das nossas mãos modifica a forma que nós percebemos as coisas. Um japonês evita o contato tátil com estranhos, pois através de um aperto de mãos se pode trocar energias boas ou ruins. Um europeu não entra em uma loja e toca os produtos que pretende comprar. Além dessa extensão visual pela mão, o tato também é desenvolvido culturalmente e atitudes corporais podem ter significados completamente diferentes dependendo do contexto. 

As características sinestésicas que percebemos em viagem dependem da nossa capacidade ou habilidade cultural de distinção que é conduzida pela linguagem e formada anteriormente. A viagem é uma experiência de contraste e reconhecimento do parecido.  

* Aluna da FALE/UFMG e da Escola Guignard/UEMG - Trabalho apresentado na Jornada de Estudos Indianos - perspectivas sócio-culturais - UFMG, 30 de junho de 2010 - Coord. Carlos Gohn

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Biologia da libertação e Linguagem dos animais, agora no Google livros

Meus únicos dois filhos machos, os livros Biologia da libertação e A linguagem dos animais, estão agora disponíveis pra consulta no Google livros, uma bela ferramenta de busca, ou pelo menos incontornável, nesses dias de submissão (ainda) quase total da internautolândia ao Google. Pelo sim, pelo não, vai a sinopse de cada um.

Biologia da libertação: ciência, diversidade e responsabilidade (Belo Horizonte: Mazza, 2008)


O Biologia tem a participação de vários autores de que gosto particularmente - 19, no total, de 7 países diferentes - discutindo as muitas faces do biológico: os modos de descrever e as relações que estabelecemos com os objetos naturais. O livro republica as duas únicas edições do Caderno de Filosofia & Ciência do jornal Cometa Itabirano, mais 6 artigos inéditos. Parafraseando a orelha, "mais coisas rastejando na terra e voando no céu do que sonham os programas genéticos e os fatores ambientais". O livro comemorou, ainda, os 200 anos do nascimento de Charles Darwin e os 150 anos da publicação de A origem das espécies.

Pra ver o Biologia no Google livros, clique aqui
Outras informações, e onde comprar: http://www.biolinguagem.com/livros.html       


A linguagem dos animais & outros escritos (Belo Horizonte: Mazza, 2008)

O Linguagem reúne 40 artigos meus (um co-autorado por Alexandre Pimentel) publicados nos jornais O Tempo e O Cometa Itabirano entre 2002 e 2009. O livro está organizado em seis capítulos temáticos: Lingua-linguagem; Darwinianas; Política com ciência; Do 25 de abril ao 26 de Julio; Povos do Livro; e Nigerianas. Comum a todos os temas, a afirmação da diversidade nas culturas humanas e não-humanas e da linguagem como o espaço de sua realização. Os textos abordam questões de ciência, arte e vivências do autor, sempre na reflexão política. As ilustrações são de Tá Morelo e o prefácio de Mario Drumond.

Pra ver o Linguagem no Google livros, clique aqui.
Outras informações, e onde comprar, http://www.biolinguagem.com/livros.html

terça-feira, 18 de maio de 2010

É natural levar vantagem, certo?


Decisões fortuitas e fatos insignificantes podem gerar conseqüências importantes e duradouras. Em sua autobiografia, Charles Darwin diz que sua mais importante viagem ao redor do mundo (em que vasculhou a costa brasileira e reuniu indícios para a teoria da seleção natural) dependeu “de uma circunstância ínfima (...) e de uma coisa tola - o formato do meu nariz”. Gerson - o Canhotinha de Ouro - brilhou no nosso futebol dos anos 60 e 70, com visão de campo e lançamentos precisos que fizeram seus companheiros de equipe, como Jairzinho, Tostão e Pelé, grandes artilheiros. Mas foi a atuação em um comercial de TV que imortalizou seu nome na forma da lei, a “Lei de Gerson”: o importante é levar vantagem em tudo. Gerson merece ser lembrado pelo que fez de grandioso, e, não, por sua ligação acidental com a lei da falta de caráter, mas nem sempre temos controle sobre os efeitos das pequenas decisões que tomamos (um tema espetacularmente tratado no filme de Tom Tykwer, “Corra, Lola, corra”).

Desvio de recursos e malas suspeitas são noticiadas hoje com uma novidade no Brasil, um pecado circunstancial do atual governo ou de seus partidos aliados. No entanto, além da lama sabidamente respingada na oposição, a popularidade e longevidade da Lei de Gerson derruba essa hipótese em definitivo. O caixa dois nas campanhas eleitorais é uma triste tradição, e precisamos de uma revolução cultural, tanto quanto trocar as raposas que tomam conta do nosso já pauperizado galinheiro. A ciência também tem sua equivalente da lei da vantagem, e, como a de Gerson, transcende as particularidades do aqui e agora. Segundo algumas teorias em voga entre os cientistas, “levar vantagem em tudo” pode ser uma característica intrínseca das interações humanas, um corolário da seleção natural em populações de organismos (as chamadas “estratégias evolutivamente estáveis”) ou até a própria lei da vida! Não escondo meu preconceito contra esses três níveis de aplicação da canalhice nas ciências naturais, mas, antes de criticar, é preciso compreender.


Darwin tem lá sua parcela de culpa no sucesso da lei natural da vantagem. A metáfora darwiniana da “luta pela existência” abriu caminho para uma série de equívocos, culminando no infeliz termo de Spencer, “sobrevivência do mais apto”. Se apenas o mais apto sobrevive, não é justo bancar o Dick Vigarista na maluca corrida pela vida? Darwin nunca quis dizer isso, mas o conceito pegou, embalado pelo individualismo da sociedade industrial. Sucesso reprodutivo diferencial virou sinônimo de competição desenfreada no mundo natural. Um desdobramento recente desse modo pouco generoso de ver a vida é a psicologia evolutiva (EP), que, entre outras pérolas, prega a capacidade inata que nós humanos temos de trapacear e evitar ser trapaceados. Nas palavras de John Tooby e Leda Cosmides, representantes máximos da EP, “debaixo de um nível de variabilidade superficial, todos nós partilhamos certas suposições sobre a natureza do mundo e as atitudes humanas em virtude de circuitos universais de racionalidade”. Traduzindo a fala pomposa de Tooby e Cosmides, agimos como agimos por uma dádiva (ou uma praga) da natureza, não por mera escolha. Perdoai os colegas faltosos, ó membros da CPI, pois eles não sabem o que fazem!


Os teóricos do espertalhão universal (ou seu oposto igualmente falacioso - o humano naturalmente moral) esquecem o componente histórico tanto de organismos quanto das relações sociais entre eles, a que chamamos contingência. Sim, há muito planejamento nas interações sociais, mas os planos se sobrepõe, e, no jargão das ciências cognitivas, os comportamentos observados “emergem” de atividades contextualizadas. Uma boa analogia é o planejamento urbano. Nomes de ruas podem seguir algum padrão, facilitando a vida de quem busca o endereço. Vejam, então, o caso de um bairro da região de Venda Nova, em BH. Algum amante da literatura decidiu dar às ruas nomes das grandes penas da língua portuguesa: estão ali imortalizados Humberto de Campos, Castro Alves, Camões. Outro, mais afeito às geografias, deu a outras ruas, aleatoriamente, nomes das grandes capitais do mundo. Como se não bastasse a curiosa mistura de literatos e cidades, um terceiro administrador (eu desconfio, com algum senso de humor) entrecruzou, em meio às fileiras de capitais, uma Rua Inglaterra, uma Rua Argentina e uma Avenida Universo!


As relações que se estabelecem nas várias sociedades de seres vivos seguem algo muito parecido, baseado na ações contingentes dos organismos - que podemos chamar de “atividade situada” - e na história particular dessas relações. Esse é o nível mais iluminador para entendemos o que acontece, e não um suposto elemento universal embutido na cabeça de cada membro da sociedade. A não ser, é claro, que queiramos responsabilizar a natureza pelas relações que estabelecemos uns com os outros, sejam elas lícitas ou ilícitas. Eu gosto de “Avenida Universo”. É um nome bem bonito, desde que todas as vias públicas não tenham esse mesmo nome, certo? 


Publicado no jornal O Tempo, 07/09/05

domingo, 25 de abril de 2010

Cravo e canela - a criação da Universidade Afro-Brasileira


Quando a indiada do Brasil avistou os primeiros portugueses, esses já monopolizavam, a partir da Ásia, a produção e o comércio mundial da canela e outras especiarias. Nascia o primeiro império global da humanidade, por obra e graça de Portugal. Das ruínas do império restou um patrimônio: a língua portuguesa, assim como o latim sobreviveu aos romanos.
Mas na Roma Lusitana fala-se desigualmente o português. O Brasil é herdeiro privilegiado, pelo tamanho e pelo decreto que nos fez quase unilingües, desalojando os falares indígenas do dia-a-dia da maioria da população. Africanos e asiáticos, por outro lado, conservam suas culturas milenares também nos (e através dos) idiomas nativos, e não se esquecem de quanto é branca a língua do branco. Variações no uso cotidiano de uma língua oficial (nacional para uns, estrangeira para outros) não diminuem a importância atual do português como elemento unificador desses povos: na educação formal, nas relações institucionais e nas ações de reerguimento de países pauperizados pela história. Um dos projetos em curso que fazem bom uso do idioma comum é a Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, a Unilab.

A Unilab é uma iniciativa do governo federal brasileiro com o aval da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a CPLP, e aguarda sua formalização no Congresso (aprovada nas comissões da Câmara, segue agora para o Senado), mas já conta com o campus brasileiro. A universidade terá sede em uma cidade cearense com o apropriado nome de Redenção, pioneira em abolir a escravidão já em 1883. A Unilab irá atuar, prioritariamente, nas áreas de agronomia, energia, formação docente, gestão e saúde, e a formação residencial no Brasil será completada nas universidades dos demais países, onde os alunos serão diplomados.
Nas palavras de Paulo Speller, presidente da Comissão de Implantação da Unilab, “Metade de seus cinco mil estudantes será brasileira, enquanto a outra metade virá de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, com forte apoio de universidades e governo portugueses”. Haverá uma integração da extensão, da pesquisa e da pós-graduação nas regiões e países de atuação da Unilab, e, no plano interno, uma integração ao Plano de Desenvolvimento Regional da região nordestina de sua instalação brasileira (o projeto lembra, em mais de uma qualidade, a “Universidade necessária” sonhada e buscada por Darcy Ribeiro).


No dia 25 de abril de 1974, a Revolução dos Cravos livrou Portugal de uma ditadura e marcou, na África, o começo do fim de mais de 500 anos de humilhação colonialista. 36 anos depois, está aí a chance de sentirmos novamente esse gostinho, quando países de língua portuguesa, dos cinco continentes, somam forças em projetos de integração solidária e promoção do desenvolvimento. Sabe bem a uma nova redenção, com o cheiro do cravo e da cor da canela.
Publicado em O Tempo, 25 de abril de 2010

Marcadores

1969 25 de abril a linguagem dos animais a origem das espécies abbey road adolescente adriana leão áfrica alexandre pimentel ambiente américa do sul animais anos 70 antes arthur vianna artigo as filas de francolise ASA assange atlantico babalorixá bairros baixo beatles belo horizonte beto vianna bh biologia biologia da libertação blocos blocos caricatos brasil brinca belô caderno de filosofia e ciência caetano veloso canela carnaval cego cheiro chuva chuva em dois bairros ciência coffe shop cognição cometa itabirano competição conto convite copa 2010 cor cordel cosme e damião cplp cuba darcy ribeiro darwin darwin 200 descobri desmatamento diferenças culturais embora EP escolas de samba estudante EUA evolução expedicionario experiência extinção facebook feb felipe melo fio flor floresta força expedicionária brasileira G7 gêmeos george cardoso george harrison globo google livros greenpeace grito guerra hebdomadário hemisferio sul homo hugo chávez identidade III SCC ile ife india indio indonésia interculturalidade jabulani jesus john lennon john tooby jornalismo josé mauro da costa julian julian assange juventude kitkat la nación lançamento larissa leak leda cosmides lei de gerson libertação limpeza étnica lingua lingua portuguesa linguagem livro livros de graça na praça loucura i fé lua lusofonia madalena madonna manhã mario drumond mazza menina menino mineiro morcegos movimento estudantil mudo mulher música naranja mecanica neguinha de ogum nestlé nigéria nudcen o tempo ocidente óleo de palma opep orangotango origem 150 paises pan paraguai paul mccartney paulo speller paz pentelho petróleo pink floyd poema poesia pop portugal prometeu psicologia evolutiva quilombola racismo rainforest reina revolução dos cravos ringo starr rio de janeiro roma tropical rouco sabor são tomé sebastião da costa veloso secundaristas seminário sinestesia soberbia brasileña sobrevivência do mais apto som Spencer sportv sucesso reprodutivo surdo tá morelo tábata taiuô e kéindê tato terceiro mundo travessa ubes ucmg ufrj une unilab universidade afro-brasileira v va vagabunda vapt variação veja venerada venezuela viagem voltar vupt vuvuzela wikileaks zarzuela

Haicai (do Conde Arthur)

No branco da paz,
giram, turbinadas
as emoções de toda as cores

Mini-hai-cai lógico-matemático

ágora

e/ou

nunc